• MANX Hyd.

Conceitos obsoletos em sistemas hidráulicos

Entre idas e vindas, em trabalhos com sistemas hidráulicos e de lubrificação, temos a sorte – e também a má sorte – de observar erros e omissões que operadores e usuários de sistemas hidráulicos cometem durante a manutenção de seus equipamentos. Listamos abaixo as principais observações:



Erro nº 1 – Trocar o óleo

Existem apenas duas condições que exigem uma troca de óleo hidráulico: degradação do óleo base ou neutralização total do pacote de aditivos. Como existem muitas variáveis ​​que determinam a taxa de degradação do óleo e dos aditivos, trocar o óleo hidráulico com base nas horas de serviço, sem qualquer referência à condição real do óleo, é um tiro no escuro.


Dado o atual alto preço do petróleo, desperdiçar óleo que não precisa ser trocado é a última coisa que você quer fazer. Por outro lado, se você continuar operando com o óleo base degradado ou sem aditivos, você compromete a vida útil de todos os outros componentes do sistema hidráulico. A única maneira de saber quando o óleo precisa ser trocado é através da análise do óleo.


Erro nº 2 – Trocando os filtros

Uma situação semelhante se aplica aos filtros hidráulicos: se você os trocar com base no cronograma, você está executando ora muito cedo, ora muito tarde. Se você trocá-los cedo, antes que toda a capacidade de retenção de sujeira seja usada, você está desperdiçando dinheiro em trocas desnecessárias de filtros. Se você trocá-los tarde, após o filtro ter passagem aberta pelo bypass, o aumento de particulado no óleo reduz silenciosamente a vida útil de todos os componentes do sistema hidráulico – custando muito mais a longo prazo.


A solução é trocar seus filtros quando toda a sua capacidade de retenção de sujeira estiver esgotada, mas antes que a válvula de bypass se abra. Isso requer um mecanismo para monitorar a restrição de fluxo (queda de pressão) através do elemento filtrante e alertá-lo quando esse ponto for atingido. Um indicador de saturação é a forma mais simples deste dispositivo. Uma solução melhor é o monitoramento contínuo da queda de pressão no filtro.


Erro nº 3 – Óleo muito quente

motoristas continuam operando um motor de automóvel que está superaquecendo, mas, Infelizmente, o mesmo não pode ser dito quando o sistema hidráulico está operando em temperaturas acima do ideal. Como em um motor a combustão, a maneira mais rápida de destruir componentes hidráulicos, suas vedações e mangueiras, assim como o próprio óleo (e seus aditivos), é a operação em alta temperatura.


Quão quente é muito quente para um sistema hidráulico? Depende principalmente da viscosidade e do índice de viscosidade (taxa de variação da viscosidade com a temperatura) do óleo e dos tipos de componentes hidráulicos no sistema.


À medida que a temperatura do óleo aumenta, sua viscosidade diminui. Portanto, um sistema hidráulico está operando muito quente quando atinge a temperatura na qual a viscosidade do óleo cai abaixo da necessária para uma lubrificação adequada. Uma bomba de palhetas, por exemplo, requer uma viscosidade mínima mais alta do que uma bomba de pistão. É por isso que os tipos de componentes usados ​​no sistema também influenciam sua temperatura operacional máxima segura.


Além da questão da lubrificação adequada, temperaturas de operação acima de 82 graus Celsius danificam a maioria dos compostos de vedação e mangueiras, além de acelerar a degradação do óleo. Mas pelas razões já explicadas, um sistema hidráulico pode estar funcionando muito quente bem abaixo dessa temperatura.


Erro nº 4 – Usar o óleo errado

O óleo é o componente mais importante em qualquer sistema hidráulico. O óleo hidráulico não é apenas um lubrificante, mas também o meio pelo qual a potência é transferida por todo o sistema hidráulico. É essa dupla função que torna a viscosidade a propriedade mais importante do óleo, pois afeta tanto o desempenho da máquina quanto a vida útil.


A viscosidade do óleo determina em grande parte as temperaturas máxima e mínima do óleo dentro das quais o sistema hidráulico pode operar com segurança. Se você usar óleo com viscosidade muito alta para o clima em que a máquina deve operar, o óleo não fluirá adequadamente ou lubrificará adequadamente durante a partida a frio.


Se você usar óleo com viscosidade muito baixa para o clima predominante, ele não manterá a viscosidade mínima necessária e, portanto, a lubrificação adequada, nos dias mais quentes do ano.


Mas isso não é o fim. Dentro dos extremos permitidos de viscosidade necessários para uma lubrificação adequada, há uma faixa de viscosidade mais estreita onde as perdas de energia são minimizadas. Se a viscosidade do óleo operacional for maior que a ideal, mais potência será perdida pelo atrito (fricção) do fluido, e se a viscosidade operacional for menor que a ideal, mais potência será perdida por atrito e vazamento interno.


Usar o óleo de viscosidade errada não só resulta em danos à lubrificação e falha prematura dos principais componentes, mas também aumenta o consumo de energia.

E, apesar do que você possa pensar, você não obterá necessariamente o óleo de viscosidade correto seguindo cegamente as recomendações gerais do fabricante da máquina. Como você sabe se está usando o óleo hidráulico certo?


Erro nº 5 - Locais de filtro incorretos ou ineficientes

Qualquer filtro é um bom filtro, certo? Errado! Existem dois locais de filtro hidráulico que fazem mais mal do que bem e podem destruir rapidamente os próprios componentes que foram instalados para proteger. Esses locais de filtro que devem ser evitados são a sucção da bomba e as linhas de dreno das carcaças das bombas de pistão e motores hidráulicos.

Isso contradiz a sabedoria convencional, que é necessário ter um filtro na entrada da bomba para protegê-la do "lixo" circulando pelo tanque. Primeiro, a bomba extrai seu óleo de um reservatório dedicado, não de uma lata de lixo, e em segundo lugar, se você acredita que é normal ou aceitável que o “lixo” entre no tanque hidráulico, provavelmente está perdendo tempo lendo este artigo.


Se obter a vida útil máxima da bomba é sua principal preocupação (e deveria ser), então é muito mais importante que o óleo encha livre e completamente as câmaras de bombeamento durante cada entrada do que proteger a bomba de porcas, parafusos e 9/16 chaves combinadas de polegada. Estes não representam perigo em um reservatório adequadamente projetado, onde a penetração de entrada da bomba está a pelo menos 2 polegadas do fundo.


Já houve pesquisa mostrando que uma entrada restrita de sucção pode reduzir a vida útil de uma bomba de engrenagens em 56%. E é pior para bombas de palheta e pistão, porque esses projetos são menos capazes de suportar as forças induzidas pelo vácuo causadas por uma entrada restrita. As bombas hidráulicas não são projetadas para "sugar", como em outros tipos de bombas de água.


Um conjunto diferente de problemas surge dos filtros instalados nas linhas de dreno das bombas e motores de pistão, mas o resultado é o mesmo dos filtros de sucção. Eles podem reduzir a vida útil e causar falhas catastróficas nesses componentes de alto preço. Você vai querer ler os prós e contras da localização do filtro hidráulico antes de abordar isso.


Erro nº 6 - Acreditar que os componentes hidráulicos são autoescorvantes e autolubrificantes

Você não ligaria um motor sem óleo no cárter – não conscientemente, de qualquer maneira. E, no entanto, vi a mesma coisa acontecer com muitos componentes hidráulicos caríssimos!


O fato é que, se as etapas corretas não forem seguidas durante o start-up, os componentes hidráulicos podem ser seriamente danificados. Em alguns casos, eles podem funcionar bem por um tempo, mas o dano incorrido na inicialização os condena a falhas prematuras.


Há duas partes para acertar esse dilema: saber o que fazer e lembrar de fazê-lo. Não saber o que fazer é uma coisa. No entanto, se você sabe, mas esquece de fazê-lo, isso é destruidor da alma.


Você não pode se dar um tapinha nas costas por encher a carcaça da bomba com óleo limpo quando se esqueceu de abrir a válvula de isolamento de admissão antes de ligar o motor! Procedimento para hidráulica e lubrificação é meio caminho andado para evitar incidentes catastróficos aos componentes.


Erro nº 7 – Educação em hidráulica

O objetivo deste artigo é mostrar que, se você possui, opera, repara ou mantém equipamentos hidráulicos e não conhece as práticas mais recentes de manutenção de equipamentos hidráulicos, muito dinheiro pode escorregar por entre os dedos.

Conhecimento em sistema hidráulicos e de lubrificação é sempre válido. Peça cursos minstrados pelo fabricante da máquina, para conhecer os melhores procedimentos e protocolos de operação e manutenção.

Caso tenha interesse, a Manx pode preencher esta lacuna com treinamentos, Survey e melhorias nos procedimentos de máquina e protocolos de manutenção – aliviando stress na máquina e no seu bolso.


Quer saber mais? Entre em contato pelo: contato@manx-hyd.com




Fonte: https://www.machinerylubrication.com/Read/1650/hydraulic-equipment-mistakes

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo