• MANX Hyd.

Determinando a frequência de análise de óleo

Determinar a frequência da análise de óleo é um pouco profundo do que as pessoas costumam perceber. O Gerador de frequência de amostra oferece um método sistemático para estimar a frequência de amostragem, de maneira otimizada, levando em consideração a penalidade econômica de falha, o nível de severidade do ambiente do fluido, a idade da máquina, a idade do óleo e as tolerâncias de metas e objetivos, como por exemplo o controle de contaminação.


Para escolher periodicidade nas coletas, cabe levar em consideração:


Penalidade econômica da falha: Como esperado, a penalidade econômica da falha ajusta o fator de acordo com o custo implicado da falha. Ou seja, diminuiria a frequência de amostragem se fosse muito baixa, mas aumentaria em proporção maior se fosse alta. A penalidade pela falha deve considerar o custo do tempo de inatividade, o custo do reparo ou reconstrução, a interrupção do negócio como um todo e o impacto na qualidade ou no produto final, quando aplicável.


Meio ambiente do fluido: A severidade (ou hostilidade) do ambiente ao fluido não apenas incorpora a oportunidade de contaminação por partículas, produtos químicos de processo e umidade, mas também leva em consideração as demandas impostas ao lubrificante pela máquina. Isso inclui pressão, velocidade e carga, bem como o ciclo de trabalho. Quanto maior o risco de danos ao lubrificante, mais frequente será a amostragem.


Idade da máquina: A idade tem um impacto no estabelecimento de frequências de amostragem. Em geral, a falha dos componentes é mais provável ora durante o amaciamento da máquina ou quando um componente atinge o fim de sua vida natural. Por esse motivo, as frequências de amostragem devem ser aumentadas durante esses períodos de maior probabilidade de falha, principalmente quando os resultados da análise indicam a “mortalidade” iminente da máquina.


Idade do óleo: A regra da idade também se aplica ao lubrificante. Além da nova - e óbvia - amostra de óleo para fins de linha de base, o lubrificante precisa de uma verificação mais frequente nos primeiros 10% de sua vida útil, para garantir que está assentando dos componentes se dê corretamente. Isto é especialmente verdade quando um novo tipo ou fabricante de óleo é usado. Observe que o fator de ajuste é um pouco diferente entre a idade da máquina e a idade do óleo. É mais provável que um lubrificante sofra uma crise de meia idade do que uma máquina, quando impactado por condições acidentais de entrada e, portanto, é menos recuperável do que uma máquina naquele ponto.


Tolerância alvo: A consideração final é a tolerância de quaisquer limites baseados em metas. Por exemplo, se tiver como objetivo de limpeza de fluidos o ISO 15/13/10; e que ficou definido que a limpeza média de fluidos normalmente está em torno da ISO 14/12/9, isso será considerado rígido e justo. No entanto, se orbitar pela ISO 11/9/6, podemos considerar tolerante. Targets apertados exigem amostragem mais frequente, porque a possibilidade de exceder a contaminação alvo ocorrerá mais rapidamente do que os alvos relativamente tolerantes.


Contacte-nos para baixar grátis o whitepaper Manx de análise de fluidos.

Quer saber mais sobre análise de óleo ou quer algum artigo de assunto específico? Contacte! : contato@manx-hyd.com







11 visualizações

© 2019 por MANX Hydraulics.