top of page
  • Foto do escritorMANX Hyd.

Revisando as análises de óleo

Geralmente, existem duas condições que necessitam de uma troca de óleo, e uma delas é a degradação oxidativa. A única maneira de saber se a vida útil do óleo expirou com base nessa condição é fazer análises regulares de óleo.



A condição oxidativa de um óleo hidráulico é determinada por uma medida absoluta de sua concentração total de ácidos. Quando o oxigênio se combina com as moléculas de hidrocarbonetos, ocorre uma reação em cadeia, que resulta na formação de ácidos orgânicos. Essas substâncias escurecem o óleo, aumentam a viscosidade, reduzem a resistência à formação de espuma e à liberação de ar, formam verniz e borra. Em outras palavras, o óleo se torna inapto para uso.


O resultado do teste do número total de ácidos (AN) é expresso pelo volume do alcalino, hidróxido de potássio (KOH) em miligramas (mg), necessário para neutralizar os componentes ácidos contidos em um grama (gm) de óleo usado.



Devido à sua composição de aditivos, novos óleos hidráulicos minerais à base de zinco podem ter um AN inicial bastante alto, de 1 a 1,5 mg KOH/gm. Este número diminui inicialmente à medida que os aditivos se esgotam. Mas à medida que o óleo começa a envelhecer e oxidar, a formação de subprodutos ácidos reverte essa tendência e faz com que o AN aumente.


Para óleos hidráulicos minerais, um AN de 2,0 mg KOH/gm é o valor de disparo típico para uma troca de óleo. Mas para ésteres sintéticos e alguns triglicerídeos (óleos vegetais), o AN pode ser tão alto quanto 5,0 mg KOH/gm antes que uma troca de óleo seja necessária.

Entre em contato com seu fornecedor de óleo para descobrir o AN do fluido hidráulico de seus equipamentos.






Precisa de análises de óleo, diagnóstico e soluções para sistemas hidráulicos? Entre em contato pelo mail contato@manx-hyd.com

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page