• MANX Hyd.

Contaminantes letais no óleo de motor diesel - pt.2

Continuaremos hoje com a parte 2 de nosso texto sobre contaminantes letais para óleo lubrificante de motores Diesel.



Fuligem

A fuligem é um subproduto da combustão e existe em todos os óleos de motor diesel. Ele atinge o motor por vários meios de passagem por anéis (blow-by) durante a operação do motor. Embora a presença de fuligem seja normal e esperada para um determinado número de quilômetros ou horas de serviço em um óleo de motor, a concentração e o estado da fuligem podem ser anormais, sinalizando um problema com o motor e/ou a necessidade de uma troca de óleo. A seguir estão alguns problemas relacionados à contaminação por fuligem:

• A eficiência da combustão está diretamente relacionada à taxa de geração de fuligem. Ponto de ignição ruim, filtro de ar restrito e folga excessiva dos anéis causam alta carga de fuligem. Problemas de combustão não são resolvidos por uma troca de óleo.

• Os novos motores diesel projetados para emissões mais baixas têm pressões de injeção mais altas. Isso corresponde ao aumento da sensibilidade ao desgaste abrasivo (por exemplo, de fuligem) entre o balancim, o eixo e o mancal do balancim, e pode levar ao travamento do balancim. Novas unidades de recirculação de gases de escape (EGR) em motores a diesel amplificam a quantidade e a abrasividade da produção de fuligem.

• A viscosidade aumenta com a carga de fuligem. No entanto, a alta dispersão associada a alguns óleos de motor modernos pode aumentar ainda mais a viscosidade com fuligem. A alta viscosidade corresponde a problemas de partida a frio e risco de falta de óleo durante partidas ou situações de marcha lenta.

• Fuligem e borra nos motores depositam ou se separam do óleo em diferentes áreas, todas apresentando riscos à confiabilidade do motor, incluindo balancins, tampas de válvulas, cárter de óleo e cabeçote.

• Depósitos nas superfícies do motor interferem na eficiência da combustão e na economia de combustível.

• A fuligem remove as películas de sabão antidesgastante protetoras em zonas de contato, como zonas de came e mancais.

• Os depósitos de carbono pelo acúmulo de fuligem e borra atrás dos anéis do pistão nas ranhuras, pode causar desgaste rápido dos anéis e das paredes do cilindro. Isso pode causar anéis quebrados ou severamente danificados durante as condições de partida a frio.




Água

A água é um dos contaminantes mais destrutivos na maioria dos lubrificantes. Ataca aditivos, induz a oxidação do óleo base e interfere na produção do filme oleoso. Baixos níveis de contaminação da água são normais em óleos de motor. Altos níveis de entrada de água merecem atenção e raramente são corrigíveis através da troca de óleo. A seguir estão algumas notas adicionais sobre a contaminação da água:

• Longa marcha lenta no inverno causa condensação de água no cárter, o que leva à perda do número de base e ataque corrosivo nas superfícies, oxidação do óleo, etc.

• A água emulsificada pode acabar transladando aditivos, fuligem, produtos de oxidação e borra. Quando mobilizados pelo fluxo de óleo, esses resíduos de borra podem saturar os filtros e restringir o fluxo de óleo para rolamentos, pistões e o comando de válvulas.

• A água aumenta drasticamente o potencial corrosivo dos ácidos comuns encontrados no óleo do motor.


Período de Desenvolvimento de Falha

O período de desenvolvimento de falhas pode variar consideravelmente para esses contaminantes. A maioria das falhas por “morte súbita” através de níveis moderados de contaminação geralmente terá um ou mais fatores agravantes (o efeito combinado). Por outro lado, concentrações maciças de um ou mais desses contaminantes podem resultar em falhas catastróficas sem a ajuda de uma circunstância agravante. Existem dezenas de outros fatores agravantes que também podem encurtar drasticamente o período de desenvolvimento de falhas. Mais típico é quando um problema moderado passa despercebido e se desenvolve ao longo do tempo. Isso pode reduzir a vida útil do motor de, digamos, 750.000 quilômetros para 300.000 quilômetros.


O efeito cumulativo da contaminação do óleo na confiabilidade do motor, economia de combustível, emissões de exaustão e custo de manutenção de uma grande frota é enorme. Não há aditivos de óleo de motor que controlem os danos causados ​​por esses contaminantes. Portanto, manutenção proativa e análise de óleo são estratégias críticas para neutralizar os riscos.



Comentários adicionais Manx Hydraulics: Os motores Diesel são, em sua concepção, feitos para atividades severas e em geral são muito robustos e confiáveis. Mas em nossa experiência, gostamos de relatar que a manutenção preventiva é chave para confiabilidade, disponibilidade de máquina e para evitar custos absurdos de reparos.


Apesar de alguns acreditarem que não é necessário, a mistura de água com glicol no sistema de arrefecimento é crucial para um motor longevo. O fluido, por sua coloração, já ajuda no diagnóstico de vazamentos, mas o principal para motores diesel é que o glycol evita a cavitação em bombas d’água, diminui a chance de pilha galvânica no sistema, e evita alguns fenômenos de cavitação e avarias por erosão em camisas de cilindro. Tocar um diesel sem fluido de arrefecimento é condição ideal para uma retífica de motor precoce.


Quanto ao combustível, a Manx já fez estudos para avaliar uso de bactericida em reservatórios de diesel para navios pequenos (~3000ton). Navios em geral ainda usam diesel com teores de enxofre altos, que agem como bactericida, mas com diferentes épocas do ano e umidade em geral, é facil de ver esse problema ocorrer. Para máquinas de menor porte e com reservatórios menores, o problema também ocorre, mas é mais fácil de mitigar. O uso de respiros dessecantes em reservatórios de diesel assim como o uso de bactericidas em tanques de veículos e máquinas estacionárias (que vão ficar >20 dias parado) tendem a resolver o problema.


A questão da borra de diesel é pior em diesel S-10 e S-50, com níveis mais baixos de enxofre. O uso de biodiesel, mesmo em teores baixos (mistura de biodiesel e diesel refinado) é crítico para bombas injetoras, visto que alguns veículos passam vários dias sem utilização. Algumas pessoas tendem a acionar o motor e deixá-lo em marcha lenta, o que agrava então a diluição de diesel no óleo – fazendo com que o óleo lubrificante tenha que ser trocado precocemente.


Fuligem e depósitos de carbono também tem sua origem em longas horas de marcha lenta. Os recursos para diminuição de poluentes também pioram o cenário, sendo muitas vezes a causa raiz da falha do motor. Mas temos que conviver e lidar com EGR e manter o sistema rodando para evitar sua falha.


Água é outro problemão, visto que, além de comprometer peças móveis e sua lubrificação, é também o agente que faz com que bactérias se reproduzam no diesel e formem a borra de combustível. Quando isso acontece, tem que parar a máquina e fazer uma manutenção criteriosa.


Manutenção preventiva e preditiva básica no diesel te economiza muito dinheiro.


Se precisar de mais informações, entra em contato com a gente. contato@manx-hyd.com



Fonte: https://www.machinerylubrication.com/Read/1033/diesel-engine-oil-contaminants

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo